Dia da Mulher
Dia da Mulher

Dia Internacional da mulher

 

As histórias que remetem à criação do Dia Internacional da Mulher alimentam o imaginário de que a data teria surgido a partir de um incêndio em uma fábrica têxtil de Nova York em 1911, quando cerca de 130 operárias morreram carbonizadas. Sem dúvida, o incidente ocorrido em 25 de março daquele ano marcou a trajetória das lutas feministas ao longo do século 20, mas os eventos que levaram à criação da data são bem anteriores a este acontecimento. 

O primeiro Dia Nacional da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

"O 8 de março deve ser visto como momento de mobilização para a conquista de direitos e para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais ainda sofridas pelas mulheres, impedindo que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países", explica a professora Maria Célia Orlato Selem, mestre em Estudos Feministas pela Universidade de Brasília e doutoranda em História Cultural pela Universidade de Campinas (Unicamp).

Para celebrar o dia de hoje fomos buscar no Coletivo brasileiro Arquitetas Invisíveis, projeto que desde 8 de Março de 2014 busca promover a igualdade de gênero dentro do âmbito da arquitetura e do urbanismo, por meio do reconhecimento e divulgação da vida e obra de arquitetas desprestigiadas pela história, a pioneira de nossa profissão. Essa mulher foi a primeira das que iniciaram o rompimento de barreiras, que antes não se imaginava ser possível sequer alcançar. Combativas e determinadas, elas estiveram entre aquelas que tornaram possível a ampliação da presença feminina no fazer arquitetônico em uma sociedade profundamente patriarcal.

 

  • Julia Morgan

País de origem: Estados Unidos

Nascimento: 1872

Morte: 1957

 

Abriu seu próprio escritório em 1904, se tornando a primeira mulher licenciada a trabalhar com arquitetura no estado da California. Após ter sido destruído no terremoto de 1906, teve que abrir outro escritório. Trabalhou com arquitetura residencial, completando mais de 700 projetos até 1951, quando se aposentou. Em 2014, foi a primeira mulher a ser agraciada com a medalha de ouro de AIA – American Institute of Architects, por inspirar toda uma geração de arquitetas. O estilo de Morgan foi caracterizado pelo uso da arquitetura vernacular californiana com detalhes vindos de sua experiência com artes e ofícios na École des Beaux-Arts, incluindo vigas de sustentação expostas, linhas horizontais misturados com a paisagem, o uso extensivo de telhas Califórnia Redwood e tons de terra.

 

Quer saber mais sobre as pioneiras, visite: https://www.arquitetasinvisiveis.com/

Copyright © 2016 DA - Diário do Arquiteto. By RealWorks Propaganda - Curtir Compartilhar Siga-nos no Instagram

Scroll to Top